Dica de leitura: A culpa é das estrelas

Oi amores, esses dias fui na livraria comprar um presente que estava devendo pra um amigo e acabei levando o “A culpa é das estrelas” que de cara já me pareceu super simpático porém pela contra-capa previ que seria um livro meio tristonho (mas eu gosto kkkk).

Sinopse:
Hazel é uma paciente terminal. Ainda que, por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante — o que lhe dá a promessa de viver mais alguns anos —, o último capítulo de sua história foi escrito no momento do diagnóstico. Mas em todo bom enredo há uma reviravolta, e a de Hazel se chama Augustus Waters, um garoto bonito que certo dia aparece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas.

O que eu achei:
Eu não classificaria o ACEDE como um livro só sobre câncer, muito menos classificaria ele só como um romance entre adolescentes com câncer.
Isso tudo acontece e faz parte do enredo sim, mas John Green (o escritor) tenta mostrar a visão da pessoa com câncer numa perspectiva mais ou menos assim: “Oi sou uma granada. A qualquer hora posso explodir e como se já não bastasse magoar meus pais ainda corro o risco de machucar mais pessoas que tentam se aproximar”, há uma espécie de barreira, de bola de proteção que faz com que Hazel (a moçinha da história) não queira se envolver emocionalmente com alguém por ter preocupações como essa.
Mas nem preciso dizer que isso acontece (lentamente e naturalmente) assim que conhece Augustus Waters também com câncer.
Eles ainda embarcam numa aventura pra realizar o “sonho” de Hazel, o que garante ainda mais o apego pelo livro.
De uma forma muito adulta pros seus 16 anos Hazel passa por situações emocionantes e outras que ela jamais poderia prever…
Antes de falar que gostei muito do livro, preciso salientar que ele tem uma “pegada” meio teen e fiquei um pouco sem paciência em alguns trechos do livro (principalmente aqueles em que são narradas cenas dos personagens jogando vídeo game), mas fora isso acho que é sim uma leitura que vale a pena, me prendeu bastante e não conseguia ficar um dia sem ler um pouquinho.
Faço as palavras de Markus Zusak as minhas “Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais”.

Alguns trechos legais:

– Enquanto ele lia, me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para outra.

– Eu estou – ele disse, me encarando, e pude ver os cantos dos seus olhos se enrugando. – Eu estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro. Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo, e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim, e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó, e sei que o sol vai engolir a única Terra que podemos chamar de nossa, e eu estou apaixonado por você.

– Esse é o problema da dor – o Augustus disse, e ai olhou para mim. – Ela precisa ser sentida.

– Meus pensamentos são estrelas que eu não consigo arrumar em constelações.

Dica:
Se você já leu ou se você se interessou em ler, o escritor criou um site respondendo perguntas dos leitores sobre algumas dúvidas que ficaram no fim do livro (muito bacana para pessoas como eu que ficam com gostinho de quero mais nos fins dos livros hehe), clica aqui (Mas atenção só entre depois de ler o livro, porque contém spoiler )

Pra comprar clica aqui

Alguém por aí já leu?
Beijinhos

4 Comments

  1. Nossa, vim direto para esse post pq estava curiosíssima sobre esse livro e esse seu post só aumentou a minha curiosidade! Não tinha me ligado que esse autor é o mesmo de A Menina que Roubava Livros, que é um livro formidável! Vai já pro meu desafio pra ler ainda esse ano! 🙂

    Beijo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CAPTCHA Image
Reload Image